Leer en español | Read in English

“O governo Bolsonaro é dependente dos interesses políticos e econômicos daqueles que dominam a política nos EUA. Infelizmente, está impondo ao maior país da América Latina interesses que não são os do povo brasileiro”.

A avaliação é do político mexicano Cuauhtémoc Cárdenas em entrevista ao TUTAMÉIA na Cidade do México. Para ele, o impeachment contra Dilma, a prisão do presidente Lula (e a sua retirada da disputa eleitoral que liderava) e a eleição de Bolsonaro fazem parte de um mesmo quadro que tem como pano de fundo os interesses dos EUA no petróleo da região. “O petróleo no continente americano é um fator muito importante para a política exterior e econômica dos EUA”, assinala.

Cárdenas fala dos retrocessos em relação à democracia no continente, onde, na sua visão, o Brasil é o exemplo hoje mais claro desse processo – ele coloca a Argentina em segundo lugar. “O processo mais grave é o do Brasil onde há um atropelo, uma violação à lei e aos direitos das pessoas. Temos o caso do presidente Lula, que recebeu uma sentença sem que haja uma só prova, passando por cima de todos os procedimentos do direito, dos seus próprios direitos como cidadão”.

Para ele, o processo contra Lula “é claramente uma decisão de caráter político, de uma política repressiva que atropela todo o tipo de leis do Brasil e de caráter internacional. É o que mantém o presidente Lula na prisão”. Cárdenas afirma que toda essa situação está muito clara para o mundo. “A presença de setores não apenas reacionários, mas também repressivos [no governo brasileiro], representam riscos de retrocessos à democracia no país”, diz.

E ressalta: “Lula segue contando com a solidariedade e a amizade dos setores progressistas do México. Esperamos que as injustiças que foram cometidas contra ele sejam superadas e que novamente e o tenhamos entre nós, par seguirmos lutando juntos por todos esses ideais que compartilhamos”.

Prefeito da Cidade do México, senador, governador, três vezes candidato à presidência do México – aos 84 anos Cuauhtémoc Cárdenas tem uma trajetória de lutas ligadas à esquerda. Seu pai, Lázaro Cárdenas, foi presidente do México na segunda metade dos anos 1930 e segue sendo um dos políticos mais populares entre os mexicanos. Impulsionador da reforma agrária, nacionalizou o petróleo.

Petróleo segue sendo ponto crucial para o México, para o Brasil –e para a Venezuela, como está evidente nos acontecimentos recentes. Cuauhtémoc Cárdenas não tem dúvida de que os interesses norte-americanos sobre a maior reserva de petróleo do planeta estão no cerne na crise atual venezuela, de desdobramentos imprevisíveis.

Para ele, a pressão inaudita de Donald Trump sobre a Venezuela tem origem no desejo de “assegurar que as reservas [venezuelanas] estejam disponíveis [para os EUA] a curto e a longo prazo”. Cárdenas classifica como “intervenções indevidas” as medidas de bloqueio e de cofisco de bens venezuelanos no exterior. “São passos indevidos que prejudicam a economia e a situação social da Venezuela”.

Ele defende a negociação, apoiando a iniciativa liderada pelo México e pelo Uruguai para um diálogo entre as forças governistas e de oposição. Nicolás Maduro concordou com a realização de conversas, mas a oposição se recusa a debater, investindo no confronto com o apoio total dos EUA. Cárdenas espera que “o tempo possa jogar a favor do diálogo”.

E como enfrentar essa onda regressiva, especialmente no Brasil? Nesta entrevista exclusiva ao TUTAMÉIA, Cuauhtémoc Cárdenas advoga a unidade “de todos aqueles que querem solucionar os problemas principais da população. É preciso colocar em primeiro lugar os problemas coletivos e discutir como os setores populares podem se organizar para fazer frentes em comum”.

 

Texto e foto: Tutaméia

Share This