Leer en español | Lire en français | Read in English

Quando Fernando Haddad concorreu a um segundo mandato como prefeito de São Paulo em 2016, ele foi ridicularizado por usar ternos largos e baratos em debates televisionados, e até mesmo seus seguidores o acharam pouco convincente. Embora elogiado internacionalmente por tornar a maior cidade das Américas uma megalópole mais progressista, Haddad foi sobrecarregado pelo ano sombrio de seu partido, que incluiu o impeachment da presidente Dilma Rousseff por suposta manipulação orçamentária. Haddad, ex-ministro da Educação e professor universitário, perdeu para um milionário que já hospedou a versão brasileira de O Aprendiz. Mas agora, Haddad é o candidato do seu partido para a eleição presidencial de 6 de outubro, atribuído a um papel que lhe cabe tanto quanto os processos de dois anos atrás: líder de massa.

As apostas do empreendimento de Haddad não poderiam ser maiores. O congressista Jair Bolsonaro, capitão aposentado do exército, está no topo das pesquisas como um apologista não reformado do regime militar que governou o Brasil entre 1964 e 1985. Enquanto votava em favor do impeachment de Dilma em 2016, Bolsonaro o dedicou à memória de Carlos Alberto Brilhante Ustra, um notório torturador que morreu no ano anterior sem ter que responder por crimes cometidos como agente da ditadura. Em vinte e sete anos no Congresso, Bolsonaro culpou a ditadura por não ter matado pessoas suficientes durante suas duas décadas no poder, sugerindo que deveria haver pelo menos 30 mil baixas em vez de várias centenas. Ele argumentou que os pais podem e devem vencer a homossexualidade fora de seus filhos em tenra idade. Ele disse a uma integrante do Congresso que ele nunca a estupraria porque ela não merecia isso. Como candidato presidencial, ele pediu a castração química generalizada de criminosos sexuais acusados e argumentou que o discurso dos direitos humanos fez um “desserviço” ao Brasil. Ele também declarou que não aceitará os resultados das eleições a menos que ganhe, preparando o terreno para uma potencial crise constitucional. Bolsonaro é Trump sem a palhaçada resplandecente, um Duterte que ainda não recebeu os reinados do poder executivo. Há uma chance muito real de que ele possa ser o próximo presidente do Brasil.

Há muito tempo ficou claro para os progressistas brasileiros que Bolsonaro faria uma oferta séria em 2018. A candidatura de Haddad, por outro lado, é em grande parte uma improvisação. Depois de sua derrota em 2016, Haddad se reuniu com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o esquerdista popular que antes esperava encontrar um retorno à presidência para um terceiro mandato este ano, mas foi preso por acusações de corrupção em abril passado. Haddad queria elaborar a plataforma política para a campanha presidencial. A posição permitia a Haddad o acesso próximo a Lula durante meses, mesmo depois que o presidente foi preso. Quando Lula foi barrado no mês passado, parecia um simples passar do bastão para Haddad em 11 de setembro. Haddad já havia elaborado grande parte da agenda de políticas que seu Partido dos Trabalhadores (PT) estava propondo. Agora ele só precisava sair e fazer campanha nele.

Até agora, ele tem sido eficaz: uma pesquisa em 24 de setembro mostrou Haddad em segundo lugar com 22% dos votos – uma ascensão meteórica para o novo candidato. Haddad não tem a capacidade sobrenatural de Lula de se conectar com eleitores pobres e da classe trabalhadora, que formam a base da força eleitoral do PT. Mas o que falta em fogo populista justo, ele compensa com argumentação razoável e razoável: Ao optar por Haddad, o PT apostou na lucidez, longe de ser uma coisa certa neste clima eleitoral acalorado. Enquanto Haddad procura estabelecer um tom progressivo moderado, Bolsonaro emite constantemente opiniões de extrema-direita, dificilmente negando o fato de que sua presidência representaria uma ameaça existencial à democracia brasileira. A questão crucial é se os brasileiros vão abraçar um professor de filosofia e ciência política de fala mansa de um partido político manchado no momento mais cacofônico da história recente do país.

Ser o homem de Lula provavelmente impulsionará Haddad para o segundo turno, quando o campo de treze candidatos será reduzido a dois. Mas ele precisará ampliar seu apoio no segundo turno para superar a animosidade muito real em relação ao seu partido, que muitos brasileiros culpam pela recessão, alto desemprego, desindustrialização, corrupção – e quase todas as outras doenças, reais e imaginárias – que agarrou o país nos últimos anos. Se Haddad pode prevalecer dependerá em grande parte se ele pode transmitir uma mudança geracional da guarda.

O PT, fundado em 1980 pelo líder sindical Lula, junto com aliados da Igreja Católica progressista, movimentos populares e acadêmicos, venceu quatro eleições presidenciais consecutivas e é amplamente visto como o partido esquerdista mais consequente da América Latina, trazendo o reconhecimento generalizado do Brasil. e ganhos econômicos no cenário internacional no início dos anos. A sucessora escolhida por Lula, Dilma Rousseff, tornou-se presidente em 2010 e foi reeleita em 2014. Logo depois, os escândalos de corrupção e a crise econômica alimentaram pedidos de impeachment. O vice-presidente de Rousseff, Michel Temer, que era de um partido diferente, voltou-se contra ela e juntou-se às forças reacionárias no Congresso para uma demissão, citando práticas orçamentárias desonestas. A reação internacional foi mista, e seus defensores apontaram que praticamente todos os presidentes anteriores do sexo masculino se envolveram em práticas semelhantes às que Dilma foi acusada desde o retorno da democracia em 1985.

O impeachment deu frutos amargos: Michel Temer foi, de longe, o presidente mais impopular da história do Brasil, reduzindo os partidos que se aliaram a ele aos escombros eleitorais. O Partido da Social Democracia Brasileira – há muito tempo o principal partido de oposição do centro-direita – foi uma dessas baixas, reduzido a um pouco de participação nos assuntos nacionais em grande parte devido ao seu apoio à desastrosa administração atual. O golpe do Congresso contra Dilma também fez pouco para melhorar a situação econômica do país ou restaurar a confiança nas instituições públicas. Em vez disso, encorajou uma corrente sombria reacionária da sociedade brasileira que questiona abertamente se a própria democracia vale a pena preservar se o PT quiser continuar ganhando eleições.

O que está parado no caminho de Bolsonaro? Mulheres, por um. Um grupo do Facebook criado por mulheres contra o Bolsonaro explodiu brevemente em meados de setembro, conquistando rapidamente centenas de milhares de adeptos do sexo feminino antes de serem golpeados por bolsões, como os defensores de Bolsonaro são chamados por seus críticos. A hashtag # elenão, que começou como uma pequena rejeição feminina de Bolsonaro, recentemente se tornou um tema no Twitter e inspirou centenas de milhares de pessoas a irem às ruas no Brasil e no mundo em protesto Eleição potencial de Bolsonaro. Nas urnas, é provável que as mulheres pobres de cor, em particular, sejam o guarda-fogo do país contra a presidência de Bolsonaro, aparentemente adiadas por sua violência retórica em relação às mulheres e sua abordagem exterminadora à lei e à ordem.

O próprio Haddad, uma última linha de defesa não testada, também está no caminho. Bolsonaro tentará mobilizar o sentimento anti-PT contra Haddad na segunda rodada de votação, uma força poderosa que levará muitos brasileiros a concluir que ele é o menor mal. Ele também lembrará os eleitores dos escândalos de corrupção de Lula e Dilma, declarando que ele não tolerará tal coisa. Bolsonaro não seria o primeiro autoritário ou protofascista levado ao poder prometendo violar violentamente o crime e a corrupção, nem esta promessa é nova para ele pessoalmente. Mas, no contexto da estagnação econômica, sua promessa de uma sociedade bem ordenada, embora dominadora, pode ser intuitivamente atraente para muitos brasileiros. Bolsonaro também foi esfaqueado em um evento de campanha pública no início de setembro, imagens dele se recuperando em uma cama de hospital, inspirando uma onda de simpatia por todo o país. Não é inconcebível que ele possa ficar à frente na corrida, mantendo a boca fechada e jogando as circunstâncias de sua recuperação.

É menos claro qual a estratégia que Haddad levará para convencer os eleitores de que, por mais zangados que estejam com o PT, Bolsonaro é um passo para o abismo. Será que ele vai dobrar a força do PT no nordeste empobrecido, imitando da melhor maneira possível os apelos personalistas de Lula? Ou ele vai ficar mais perto de casa e do banco em sua capacidade de transmitir moderação aos eleitores nos centros econômicos do sudeste? Não é exagero dizer que o futuro da democracia brasileira pode se resumir à capacidade de um professor progressista de fala mansa conquistar eleitores conservadores que, relutantes em perder mais uma eleição acirrada, estão considerando uma aventura de extrema-direita.

Andre Pagliarini é professor assistente visitante de história moderna da América Latina na Brown University. Atualmente, ele está preparando um livro manuscrito sobre o nacionalismo brasileiro do século XX.

The New Republic

Share This