06 de abril de 2019

Jean-Luc Mélenchon, líder do movimento de esquerda França Insubmissa, convocou manifestações pela liberdade de Lula, neste domingo (7), data em que a prisão política completa um ano. O político convidou os franceses para integrar o Comitê Parisiense de Solidariedade a Lula, que fará o ato às 15h na Esplanada do Trocadero, na capital da França.

Em seu comunicado, Mélenchon denunciou a natureza política da prisão do ex-presidente do Brasil e ainda lembrou que Lula só foi preso para que não pudesse concorrer às Eleições de 2018, pleito em que liderava com larga vantagem. O líder francês ainda destacou o juiz que condenou Lula sem provas – Sérgio Moro -, se tornou ministro da Justiça do principal beneficiado com a sua decisão – Jair Bolsonaro (PSL). “Lula é vítima de um ataque judicial e midiático, um lawfare”, criticou.

Mélenchon fez questão também de destacar toda a solidariedade internacional e revelou que o mundo tem observado de perto o que tem acontecido com o ex-presidente. O francês também fez uma defesa para que Lula seja agraciado com o Prêmio Nobel da paz pela “transformação social que causou no Brasil, com a luta contra a fome”.

“Enquanto a grande mídia brasileira e parte do Judiciário tentam destruir a imagem do ex-presidente, ele é indicado ao Prêmio Nobel ad Paz. O processo difamatório e injusto do qual Lula é vítima provoca indignação no Brasil e no mundo”, destacou Mélenchon.

Partido dos Trabalhadores | Texto e Foto: Agência PT de notícias