06 de abril de 2019

No ano passado, em 7 de Abril, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi preso por “atos indeterminados” de corrupção, enquanto milhões em todo o Brasil estavam se preparando para a eleição presidencial mais importante em uma geração.

Na época de sua sentença, no início daquele ano, Lula liderava todas as pesquisas. Na época de sua prisão, Lula liderava todas as pesquisas. Quando Lula foi negado o direito de se candidatar e foi removido da votação, ele liderava em todas as pesquisas.

Apenas algumas semanas antes de ser removido do processo político, o comitê de direitos humanos da ONU solicitou oficialmente que Lula fosse autorizado a permanecer no processo, ter acesso à mídia e ter acesso a membros do Partido dos Trabalhadores enquanto estava preso.

Isso foi ignorado e, posteriormente, o homem que estava em segundo lugar atrás de Lula venceu a eleição de 2018. Ele é conhecido como o líder de extrema-direita apoiadora da ditadura militar, homofóbica, racista e misógina, Jair Bolsonaro.

A prisão de Lula não foi sobre o combate à corrupção, mas sobre a remoção da figura mais popular no Brasil da eleição presidencial.

Para muitos, essa farsa da justiça só foi percebida quando Bolsonaro nomeou o juiz de acusação e sentença de Lula, Sergio Moro, como ministro da Justiça – apesar da afirmação continuada de Moro de que ele não estava interessado em política enquanto orquestrava o julgamento de Lula. Mas para aqueles como nós que seguimos a política latino-americana, a perseguição política de Lula foi clara desde o início.

Moro havia mostrado sua parcialidade ao longo do processo, interceptando ilegalmente a equipe jurídica e os membros da família de Lula e aparecendo em eventos públicos descrevendo Lula como culpado antes do processo de julgamento ser concluído. Isso não teria sido permitido pelo sistema judicial britânico, europeu ou americano.

Não apenas Lula enfrentou perseguição política para que seus direitos políticos fossem retirados, como também enfrentou um julgamento da mídia. As principais agências de notícias retrataram continuamente Lula em roupas de prisioneiros e culparam Lula e o Partido dos Trabalhadores – sem evidências ou lógica – por um escândalo de corrupção envolvendo quase todos os principais partidos políticos do país.

A extrema-direita usou a ideia de que o Partido dos Trabalhadores era corrupto como um de seus principais focos de campanha, pintando Bolsonaro como alguém de fora que seria duro com a corrupção política.

Naturalmente, Bolsonaro está agora enfrentando suas próprias acusações de corrupção envolvendo sua família, lavagem de dinheiro e um grupo paramilitar envolvido no trágico assassinato da vereadora Marielle Franco.

Assim como o golpe de 2016 contra Dilma Rousseff, a ala da direita do Brasil usou a verdadeira raiva do público contra a corrupção política para remover seus oponentes e tomar o poder por meios não democráticos.

A prisão de Lula não é apenas uma farsa da justiça, é uma farsa da democracia que viu o autoritarismo bater nas portas do Brasil pela primeira vez desde a queda da ditadura militar.

Lula foi um ex-líder sindical do nordeste do Brasil que desempenhou um papel fundamental na organização de ações sindicais contra a ditadura militar. Ele lutou pacificamente na época contra a extrema-direita, como o faz agora a partir de sua cela de prisão.

Mas não é só a liberdade de Lula que está em jogo. Os dois mandatos de Lula levaram o Brasil a tirar milhões da pobreza com uma série de programas sociais de renome mundial e direitos trabalhistas e sindicais consagrados na lei.

Suas políticas para a geração mais jovem também tiveram um efeito enorme, implementando uma “revolução nutricional” que reduziu massivamente a desnutrição infantil, além de aumentar o orçamento de educação do Brasil e o acesso à educação superior para os brasileiros de baixa renda.

Os primeiros meses de Bolsonaro deixaram claro que ele planeja reverter mais de uma década de progresso social sob Lula e o Partido dos Trabalhadores. Seu pedido para Lula “apodrecer na cadeia” mostra que não são apenas as conquistas de Lula que estão sob ameaça.

É por isso que milhões no Brasil e em todo o mundo pedem que Lula seja liberado e que sua perseguição política termine. Apoiado por sindicatos internacionais e por sindicatos no Reino Unido, há manifestações que ocorrem nas principais cidades do mundo todo em 7 de Abril para marcar um ano desde seu encarceramento.

Você pode adicionar seu nome à uma declaração pública de apoio a Lula e juntar-se aos milhões que pedem sua liberdade em https://brazilsolidarity.eaction.online/freeLula

Morning Star | Foto: Midia NINJA/Creative Commons