Nesta quinta-feira (04/10), os jornalistas Fernando Morais e Mino Carta foram arbitrariamente proibidos de visitar  o ex-presidente Luiz Inácio Lula na sede da Polícia Federal de Curitiba, onde Lula é mantido como preso político há quase seis meses. “Nem a ditadura militar  me impediu de visitar Lula”, afirmou Morais. O impedimento da entrada de dois notórios amigos de Lula motivado por suas profissões soma-se à censura prévia e à proibição de entrevistas pelo Judiciário, configurando não só o cerceamento dos direitos humanos de Lula como grave ameaça a atividade da imprensa brasileira.

É público e notório que Mino Carta e Fernando Morais são amigos de Lula há décadas, e sua mera profissão não pode ser condição para impedir que eles visitem Lula. “Nós nos comprometemos com nossa palavra de honra e nos comprometemos a não usar nada do que vamos conversar com um amigo antiquíssimo nosso e muito querido”, explicou Mino Carta sobre conversa com agentes da PF. A argumentação foi em vão.

Fernando Morais disse que o golpe que Mino Carta e ele viveram nas décadas de 60 e 70, o golpe verde oliva fardado, agora é o “golpe togado”. E lembrou que mesmo na ditadura militar ele pôde visitar Lula. “É uma vergonha. Eu saio daqui e volto para São Paulo envergonhado de ser brasileiro”, disse.

Nesse mesmo sentido, Mino Carta também lembrou que visitou Lula durante sua prisão na época da ditadura no DOPS, em São Paulo, e que agora é impedido. “Lula recebia a visita da esposa Marisa e dos filhos todos os dias, na época”, destacou.

 

lula.com.br

Share This