Do acampamento “Lula Livre” em Curitiba, Brasil

A justiça de primeira instância persegue Luiz Inácio Lula da Silva e o prende sem provas, enquanto agindo impunemente no Brasil cérebros de ferocidade sem limites, empresas de segurança privadas com práticas ilegais e assassinos que matam à sangue frio índios, camponeses e trabalhadores rurais .

O Brasil está desenvolvendo um experimento social sem precedentes que todos os países democráticos da região e do mundo estão seguindo com profunda preocupação. Em vez dos golpes tradicionais militares com forças armadas na rua e generais que assumem o poder, desde 2016 as minorias poderosas implantaram um golpe multistate inovador e autoritário, onde combina-se golpe parlamentar, golpe judicial e especialmente golpe da mídia de meios hegemônicos como a Rede Globo. Eles expandiram os golpes institucionais registrados em Honduras e no Paraguai. Após alcançado sucesso no julgamento e a deposição da presidência de Dilma Rousseff, o objetivo é que Lula da Silva, que ocupa o primeiro lugar nas intenções de voto para as próximas eleições, não possa ser candidato.

Não é por acaso que as potências econômicas reais tentar derrubar a candidatura do ex-presidente do Brasil, porque em um dos países mais desiguais do mundo, Lula conseguiu tirar da miséria mais de 30 milhões de brasileiros. Essa transferência de recursos e poder para os mais vulneráveis ​​é considerada um perigo inaceitável por aqueles que se beneficiam do trabalho escravo e exploram os recursos naturais do país sem grandes obstáculos governamentais.

A desigualdade social cresceu junto com órgãos policiais estaduais e empresas privadas autorizadas pelo governo, como a “Atalaia Segurança e Vigilância” do Estado do Pará, no Amazonas. Grandes latifundiários, madeireiros e empresas de mineração contratam exércitos privados que ameaçam, torturam e até matam pessoas. Há também um número significativo de assassinos dispostos a matar a pedido, principalmente protegidos por autoridades locais e setores corruptos da polícia e da justiça. Segundo a Comissão Pastoral da Terra, 70 líderes sociais e ambientais foram mortos no Brasil apenas em 2017.

Justiça de primeira instância persegue e prende Lula sem provas, enquanto agindo impunemente no Brasil cérebros de ferocidade sem limites, empresas de segurança privadas com práticas ilegais e assassinos que matam à sangue frio. A Lava Jato não existe para essa máfia descentralizada, nem parece ser uma prioridade para o juiz Sergio Moro.

Lula é um obstáculo para o Brasil armado e rico que resolve seus desejos de terra e poder com corrupção, assassinatos impunes e múltiplos golpes de estado. No Brasil, práticas aberrantes foram naturalizadas, como a guerra química contra os agricultores mais pobres que vivem em terras desejadas pelos poderosos. Eu mesmo estava no campo de Helenira Resende, do MST, perto de Marabá, onde aviões deliberadamente pulverizavam pesticidas perigosos em crianças e adultos para deixar a terra. O mesmo é praticado em Nova Guarita, no Mato Grosso, onde aviões-bomba jogaram venenos do ar sobre o acampamento de pequenos agricultores Raimundo Vieira III.

A aposta dos poderosos é que Lula passe 12 anos na prisão. A nossa preocupação como laureados com o Nobel Alternativo, é que, se Lula consegue contornar a acusação, fazendo-se presente ou não como candidato nas próximas eleições, pode ser uma vítima destes assassinos que matam à sangue frio. Não vamos esquecer que eles já dispararam balas de chumbo contra sua caravana no Paraná, o único estado que não ofereceu a custódia da polícia durante sua jornada. O juiz Sergio Moro está no Paraná e Lula está preso em uma prisão no mesmo estado. Nós, os ganhadores do Prêmio Right Livelihood Award que estavam em Curitiba, pedimos ao judiciário brasileiro para cumprir e faça cumprir a Constituição; que Lula seja libertado e sua vida protegida. Que a vida dos indígenas, camponeses e trabalhadores rurais do Brasil seja protegida. E faça justiça aos que foram mortos.

Raúl Montenegro: Biólogo, professor titular da Universidade Nacional de Córdoba. Presidente da Fundação para a Defesa do Meio Ambiente (Funam) e Prêmio Nobel Alternativo 2004.

 

Página / 12

Share This